Loading

Veteran Motorcycle e Motostory juntos

Semana passada, um encontro selou a parceria entre o Veteran Motorcycle Clube do Brasil e o projeto Motostory – A História da Motocicleta no Brasil. O Veteran foi criado em 1979 é presidido atualmente por Justiniano Proença, ele mesmo possuidor de um acervo de motos, documentos, miniaturas e mobiliarium incríveis.

O Justiniano Proença e Carlãozinho, juntos pela nossa história! – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

Todo este acervo está apertado dentro de um galpão antigo à espera do novo prédio, já em obras avançadas e que deverá ser inaugurado em aproximadamente 3 meses. “Quem está cuidando da obra é meu filho, mas as coisas estão bem adiantadas. O novo espaço vai ficar ótimo para expor nossas motos concluídas, documentos, e outras coisas mais. Neste prédio aqui colocaremos a oficina para funcionar novamente, as motos ainda por fazer e um bar, para reunir os amigos e fãs das motocicletas antigas.” – explicou Justiniano!

O Justiniano Proença (Pres. do Veteran Motorcycle Club do Brasil) “Um novo espaço vem ai! Aqui já ficou apertado.” – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

Para quem gosta do tema o lugar é uma perdição e a falta de espaço é evidente, tanto não pudemos nem chegar perto de algumas das motos guardadas lá, todas elas verdadeiras preciosidades.

O incrível acervo de Justiniano Proença, olhando as fotos do pai (Veteran Motorcycle Club do Brasil). Paixão passada de pai para filho, a varias gerações – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

“Cada moto que juntamos à nossa coleção tem um histórico, tem um fichário com todas as informações que conseguimos dela. Sobre muitas temos os nomes de donos anteriores, os manuais de oficina e de proprietário, e o máximo de informações técnicas. Todo o histórico do nosso trabalho na moto também é registrado. Quando é preciso restaurar, quem fez e o que fez na moto.”

Uma Mondial de 48 cc, um sonho do jovem Milton Benite na garagem de Justiniano Proença (Veteran Motorcycle Club do Brasil) – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

“Procuramos ser bem detalhistas nisso, mas ainda assim precisamos encontrar registros originais de quando elas foram usadas no Brasil em suas épocas, e por quem. E acredito que esta será uma das principais contribuições do Motostory.”

 

Milton Benite e um de seus sonhos na juventude: a Mondial 48cc. Foto Acervo Milton Benite / Motostory

No meio de tanta coisa interessante as horas passam rápido, mas foi possível reconhecer diversas motos que marcaram época e que aparecem nas histórias das pessoas e das famílias com as quais estamos trabalhando. Algumas são iguais, outras, as próprias motos. É o caso da famosa Matchless 500 que pertenceu aos Ceccarelli e foi usada  durante anos por três gerações da família antes de ser vendida a Justiniano.

A lendária Matchless 500 da família Ceccarelli no acervo de Justiniano Proença (Veteran Motorcycle Club do Brasil) – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

 

Constante Ceccarelli e sua Matchless 500. Hoje esta moto pertence ao acervo de Justiniano Proença. Foto acervo Família Ceccarelli / Motostory

O ciclomotor Puch de Mario Tognocchi preparado por Walter Bernardino está lá, assim como a reportagem sobre a morte do preparador. Foi com uma Caloi Mobilette concorrente desta Puch que Alex Barros iniciou no mundo das competições em Interlagos, em 1978.

O ciclomotor de Mario Tognocchi preparado por Walter Bernardino – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

A reportagem sobre a morte de Walter Bernardino, preparador de Mario Tognocchi e sua Puch (Acervo Veteran Motorcycle Club do Brasil) – Foto Carlãozinho Coachman / Motostory

 

“Acredito no trabalho desenvolvido pelo Motostory e na sua importância. Acho que merece todo o nosso apoio e pretendemos ajudar naquilo que estiver ao nosso alcance… de antemão digo que nosso acervo de motos e documentos está disponível para pesquisa, exposição e qualquer outra ação que nos ajude a propagar a nossa história. Somos todos Motostory!”

Logo do Veteran Motorcycle Club do Brasil

 

Obrigado Justiniano e Veteran… pela parceria e pela confiança depositada no nosso trabalho!

3 comments

  1. Mandei esta reportagem para o Milton Benite… disse que encontrei a “moto dos sonhos” da juventude dele… vamos ver o que ele me diz a respeito…

  2. Então Carlão, em 1969 já trabalhava no Zé Carvalho, que corria de Mondial para o Pedro Latorre que era quem importava as Mondial. Já de moleque eu queria saber de acelerar. Vieram 4 ou 5 motos Record, e o Pedrinho Latorre me deixava com uma delas, afinal toda vez que eu via uma ItalJet, eu fazia de tudo para andar na frente do cara. E lembra que a Italjet era uma 75 cc e a Mondial uma 48 cc. Os dois irmãos Latorre traziam motos, o Pedro as Mondial e o Luis Latorre trazia as Ducati e a Italjet, mas o Luis tinha um gênio forte e não se dava bem com o irmão. Eu não queria nem saber e já acelerava tudo… Obrigado…

Leave a Reply